Motivação de Equipe

Manter uma equipe motivada não é tarefa fácil, mas é fundamental para alcançar as metas.

Monday, 07 de November de 2016


Por Aline Lucena e Milena Baesso

Segundo Maximiano (2000), a palavra motivação (derivada do latim motivus, movere, que significa mover) indica o processo pelo qual um conjunto de razões ou motivos explica, induz, incentiva, estimula ou provoca algum tipo de ação ou comportamento humano. Portanto, motivação pode ser definida como um motivo que leva à ação, é tudo aquilo que leva a pessoa a determinado comportamento.

Desta forma, podemos indicar a motivação como uma força que predispõe um indivíduo a agir de certa maneira para alcançar seu objetivo, é uma energia adquirida através de um estímulo que impulsiona os indivíduos numa certa direção.

O tema é complexo e nada conclusivo, visto que não há como padronizar a força, a energia propulsora de motivação humana, contudo sabe-se que a motivação está relacionada ao comportamento das pessoas, assim, indica-se conhecer as necessidades humanas.

A teoria proposta por Abraham Maslow, chamada Hierarquia das Necessidades Humanas, indica que as necessidades podem ser agrupadas em, fisiológicas, de segurança, sociais, de auto-estima e de auto realização, e devem ser visualizadas em forma de uma pirâmide em níveis de importância e influência, onde as necessidades fisiológicas constituem a base da pirâmide e as necessidades de auto realização o topo. Sabe-se que tal teoria é um modelo típico que atua na maior parte do tempo, mas não possui aplicação universal, assim a hierarquia das necessidades de Maslow não deve ser entendida como um esquema de tudo ou nada, mas sim como um esquema de predição com grande ou pequena probabilidade do comportamento.

No âmbito organizacional, indicam-se irrelevantes as necessidades fisiológicas que abrangem fome, sede, abrigo, sexo e outras necessidades do corpo, mas é preciso atentar-se nas ações diretamente relacionadas as outras necessidades.

  • Segurança - através da proteção contra danos físicos e emocionais;
  • Social - através de ambiente sociável para aceitações, dando a sensação de que todos pertencem a um grupo;
  • Auto Estima - tente a ser elevada, com respeito e prática da empatia;
  • Auto Realização - inclui crescimento, conhecimento, auto desenvolvimento.

Manter uma equipe motivada não é tarefa fácil, ter todos os integrantes da equipe focados e determinados é fundamental para alcançar as metas, e especialmente, para garantir uma produtividade eficiente e eficaz.

Atualmente as organizações utilizam sistemas motivacionais que compreendem todos os tipos de incentivos e recompensas oferecidos a seus colaboradores na tentativa de conseguir o desempenho que possibilite a realização de seus objetivos, e abrangem desde os elogios e desafios propostos pelos gerentes, até a participação dos funcionários no processo decisório, nos lucros ou na propriedade da empresa, passando por benefícios, prêmios, programas de enriquecimento do trabalho e planos de carreira. Entra-se num ciclo de recompensa a um comportamento com o reconhecimento, logo após sua ocorrência, o que irá estimular a sua repetição.

Contudo, como sinalizado, o impulso motivacional é interno e individual preso às características de personalidade, o que dificulta o uso de fórmulas genéricas para o assunto, sendo, de fato, necessário particularizá-lo em cada momento e para cada pessoa. Conhecer e valorizar os dons individuais torna as pessoas mais criativas, competitivas e eficazes, o que inspira o senso de autoconfiança, satisfação e segurança.

Programas de Reconhecimento podem ser desenvolvidos e concretizados através de elogios, de agradecimentos, em público ou particular, através de programas formais com premiações, mas, o que realmente faz o pessoal feliz tem a ver com a identidade em relação ao negócio e à cultura da empresa, essa questão está diretamente ligada aos valores, à ética organizacional. Destaca-se, também, como fator, realmente, motivacional a possibilidade de icrescimento através de novos desafios, e o apoio ao desenvolvimento profissional.

Almeida, Claudia Ramos de. A INFLUÊNCIA DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DA EQUIPE, Revista Terceiro Setor & Gestão, v.8 2014.

Maximiano, Antônio César Amaru. INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Miranda, Cely. O DESAFIO DE MANTER FUNCIONÁRIOS MOTIVADOS: OS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O TRABALHO, Monografia apresentada à ESAB, Vila Velha - ES, 2009.

voltar