Profissão de motoboy não é apenas “bico”

Atividade requer seriedade e muita responsabilidade

Quarta, 23 de fevereiro de 2022


Se você é daquelas pessoas que acredita que a profissão de motoboy é apenas um “bico”, prepare-se para mudar de opinião.

Você sabia que lá no início do século XX o motoboy já era muito requisitado? Isso mesmo! Para trazer mais agilidade ao envio de informações importantes, e muitas vezes sigilosas, o exército britânico contava com os motociclistas. No Brasil a profissão de motoboy só apareceu na década de 1980 e desde 2009 foi regulamentada, ganhando cada vez mais espaço e, aos poucos, mais reconhecimento, deixando, há muito tempo, de ser considerada apenas um “bico” para ganhar destaque na rotina das empresas.

Principalmente nos grandes centros os motociclistas profissionais cruzam ruas e avenidas transportando os mais variados tipos de encomendas, como entregas de produtos das lojas virtuais, documentos, medicamentos e serviços de delivery (restaurantes). Imagina como seria a vida das pessoas sem os serviços do motoboy?

Vale lembrar que durante a pandemia do Coronavírus os motoboys foram essenciais. Quando as pessoas não podiam sair de casa eram esses profissionais que estavam lá, enfrentando riscos e incontáveis desafios para entregar suas encomendas em segurança.

Engana-se quem pensa que para ser motoboy basta ter uma moto e sair por aí realizando entregas. É importante ressaltar que essa é uma profissão que requer seriedade e muita responsabilidade, seja o autônomo ou o contratado por uma empresa de transportes rápidos, o motofretista precisa atuar com discrição e comprometimento, ser cordial e paciente, dirigir com prudência e segurança e estar de acordo com a regulamentação vigente.

É necessário seguir uma série de exigências como ter idade mínima de 21 anos, ser habilitado há pelo menos dois anos na categoria A, ter aprovação em curso específico da atividade, utilizar equipamentos de segurança, entre outras.

O motoboy é um profissional indispensável para vários setores da economia, para o segmento de transportes rápidos é essencial, pois traz agilidade e segurança para a logística de pequenos volumes.

Com certeza o setor não seria tão próspero e eficiente sem esse profissional!


voltar